Tampa de alçapão voa de ônibus em movimento no Rio de Janeiro

Tampa de alçapão voa de ônibus em movimento no Rio de Janeiro

06/06/2018 0 Por Notícias Portal InterBuss

• Com informações do jornal Extra.




Às vésperas de um novo aumento das passagens — que vão subir dos atuais R$ 3,60 para R$ 3,95, conforme acertado entre a prefeitura e as empresas —, os usuários enfrentam problemas nas ruas como coletivos velhos e sem manutenção. Um vídeo feito pelo passageiro Diego Souza, de 22 anos, na tarde de domingo, mostra que o tampo da entrada de ar, que fica no teto de veículo, se soltou de um ônibus da linha 898 (Campo Grande-Sepetiba) que circulava com passageiros na Praia do Cardo, em Sepetiba, na Zona Oeste do Rio.

A peça voou até a pista e foi recolhida por outro passageiro. Por sorte, não atingiu nenhum pedestre ou carro. Detalhe: chovia no momento. Havia, pelo menos, dez pessoas no ônibus que estava perto do ponto final.

— O ônibus foi passar por um quebra-molas e a tampa voou longe. Sorte que não vinha nenhuma pessoa ou carro atrás. Por mais leve que a peça seja, estava ventando muito e a velocidade da tampa poderia causar um acidente grave, até mesmo com morte — ponderou o rapaz, que mora em Tomás Coelho e seguia para Sepetiba com dois amigos.

Diego contou que alguns passageiros se assustaram e outros acharam a situação engraçada. Já o motorista, segundo ele, ficou envergonhado e pediu desculpas aos usuários do coletivo.

Em nota, a Secretaria municipal de Transportes do Rio (SMTR) informa que o consórcio responsável pela linha 898 foi autuado duas vezes nos últimos meses “por colocar em operação veículo não submetido à vistoria anual”. No texto, a pasta ainda lembra que “a SMTR não tem relação com as empresas individualmente, e sim com os consórcios, que são autuados e notificados”. A secretaria também reforça que a fiscalização sobre as linhas será intensificada para verificar irregularidades, com a aplicação de sanções cabíveis, em caso de descumprimento das obrigações.

Uma pesquisa no sistema do Detran, pela placa, mostrou que o veículo foi fabricado em 2009 — tem nove anos de uso, quando o máximo permitido por contrato é oito — e a última vistoria foi feita em 2012. Na volta, à noite, o mesmo passageiro pegou outro ônibus, este da linha 891 (Mato Alto – Sepetiba) também com a manutenção bem precária.

— O carro era velho e chacoalhava muito, fazendo um barulho ensurdecedor. Além disso, havia bancos quebrados e o botão da catraca não funcionava, obrigando o motorista a mandar entrar pela porta traseira os que pagavam a passagem em dinheiro. Como se não bastasse, era noite e só duas lâmpadas funcionavam — descreveu o jovem.

A pesquisa pela placa, no sistema do Detran, mostrou que o ônibus foi fabricado em 2005 (tem 13 anos de uso) e seu último licenciamento é de 2014. O Rio Ônibus, sindicato que representa as empresas, foi procurado, mas ainda não respondeu.