Vans clandestinas faturam alto em cima das linhas desfalcadas da Paranapuan no Rio de Janeiro

Vans clandestinas faturam alto em cima das linhas desfalcadas da Paranapuan no Rio de Janeiro

19/06/2018 0 Por Notícias Portal InterBuss

• Com informações do jornal O Dia.




No primeiro dia útil à decisão da Justiça que apreendeu 98 ônibus, da frota de 130, da Viação Paranapuan, responsável por 17 linhas da Ilha do Governador, o que se viu nesta segunda-feira no bairro foram pontos cheios, passageiros frustados e bandalhas do transporte alternativo. Vans e até carros particulares aproveitam a escassez de ônibus para faturar, cobrando R$ 10 por pessoa nas viagens.

Pouco mais de 30 ônibus da Paranapuan, que fazem trajeto para o Centro e Zona Norte, saíram às ruas nesta segunda. Na sexta-feira, a Justiça de São Paulo determinou a apreensão de parte da frota porque a empresa comprou e não pagou. “Quando passam, os ônibus caem aos pedaços”, criticou a decoradora Eli Ferraz, 72 anos.

O administrador Anderson Neves, 30, reclamou da bagunça das vans legalizadas, piratas e motoristas particulares que se aproveitaram da situação. “Como alguns ônibus da Paranapuan, que vão até o extremo na Ilha, não passam mais, temos que nos arriscar nas ‘lotadas’. Muitas vezes, esses motoristas retiram os validadores e cobram o preço que querem”, afirmou Neves, que ficou mais de uma hora no ponto ontem. “Tem motorista de van cobrando R$ 10 em um trajeto de 10 minutos”, disse outro passageiro que não quis se identificar. Em nota, a Secretaria Municipal de Transportes informou que, nos últimos seis meses, aplicou 209 multas por irregularidades em vans e 1.533 em carros de passeio.

O Consórcio Internorte responsável pela Paranapuan foi multado pela prefeitura 98 vezes. Os principais motivos foram: frota abaixo do determinado, inoperância de linha, falta de vistoria e má conservação. De todas as infrações, apenas quatro foram pagas. O consórcio declarou que o plano emergencial a ser acionado está limitado por conta da crise no setor e que está tomando medidas judiciais para reverter a decisão, pois acaba trazendo graves prejuízos à população.

O DIA solicitou entrevista com o secretário de transportes, Diógenes Dantas Filho, à frente do cargo desde abril, mas a pasta informou que ele ainda está se inteirando sobre o caso.