Passageiros reclamam da falta de segurança e de problemas mecânicos nos ônibus de Curitiba

Passageiros reclamam da falta de segurança e de problemas mecânicos nos ônibus de Curitiba

26/07/2018 0 Por Notícias Portal InterBuss

• Com informações do G1 PR.




Passageiros que utilizam as linhas do transporte público de Curitiba reclamam de falta de segurança e problemas mecânicos nos veículos.

Segundo informações da Prefeitura de Curitiba, são 250 linhas do transporte público da cidade com 1,3 milhão de usuários por dia, sendo que cerca de 700 mil são pagantes.

Uma passageira das linhas Futurama e Pinheirinho afirma que os problemas mecânicos são frequentes e interrompem o trajeto dos ônibus com frequência. “Já fiquei no caminho, cheguei atrasada”, afirma.

Outra usuária conta que também já teve que descer em um ponto antes de seu destino para trocar de veículo porque o ônibus em que ela estava apresentou problemas. “Uma vez, a gente teve que descer, tinha muitos ônibus parados”, afirma.

Na terça-feira (24), Lohane Ferraz, passageira da linha Pinheirinho / Carlos Gomes fez imagens que mostram que o onibus estava com o assoalho rachado em uma das articulações. Segundo ela, para não atrasar a viagem, os passageiros preferiram não avisar o motorista.

Lohane disse que, por medo, ela decidiu desembarcar antes e pegar outro ônibus.

Sobre este caso, a Urbanização de Curitiba (Urbs) informou que, depois de chegar no ponto final, o ônibus foi recolhido para manutenção.

Segurança

Passageiros do transporte público de Curitiba também reclamam de falta de segurança nos ônibus. O passageiro Alessandro Alves conta que já teve a carteira e o celular furtados.

“Entrei no ônibus, o ônibus lotado, eu estava mexendo no celular, guardei no bolso de trás. Quando coloquei a mão no bolso, já não tinha carteira e nem celular”, relembra.

Uma passageira da linha Fazendinha afirma que também já foi vítima de assalto no transporte público. Depois do crime, ela afirma que deixou de usar o celular ao andar de ônibus.

“A gente estava indo para a casa do meu avô e eles colocaram a arma na nossa cabeça e mandaram passar o celular”, afirma.

Outros passageiros contam que já chegaram a sair dos ônibus ao perceber o risco de assalto. “Já aconteceu várias vezes, de perceber uma movimentação estranha e eu ter que trocar de ônibus. Também já aconteceu de eu estar com a mochila do lado e encontrar o zíper aberto”, afirma uma passageira.

A Secretaria Municipal de Defesa Social e Trânsito informou que faz abordagens nas linhas do transporte coletivo da cidade, em horários distintos. Segundo a secretaria, “equipes da Guarda Municipal fazem patrulha do transporte coletivo, com policiamento preventivo em estações-tubo e terminais de ônibus”.

Fura catraca

Segundo o último balanço divulgado pelo Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp), Curitiba registra, em média, 3,9 mil invasões de usuários aos ônibus do transporte público por dia.

Por semana, o levantamento aponta que quase 28 mil passageiros entram nos ônibus sem pagar a tarifa.

O prejuízo com as passagens que deixam de ser pagas chega a R$ 6 milhões por ano, valor que, segundo o Setransp, é suficiente para comprar cinco ônibus biarticulados novos.