Falta de investimentos compromete pontes e viadutos

Falta de investimentos compromete pontes e viadutos

16/08/2018 0 Por Redação

A falta de investimentos compromete a manutenção de pontes e viadutos em estradas e municípios brasileiros.

“O Brasil não tem um programa de recuperação e manutenção dessas obras. A deterioração dessa infraestrutura pode trazer sérios riscos para a população, como já ocorreu em algumas localidades. Essas estruturas podem romper e causar desastres fatais”, alerta o engenheiro Luiz Pladevall, presidente da Apecs (Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente) e vice-presidente da ABES/SP (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental).

Em 2017, o Brasil deve investir menos de 1,5% do PIB em infraestrutura, segundo dados da ABCR (Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias).

Para atender as demandas do setor, o país precisaria investir anualmente entre 1,5% a 6% do PIB, valores equivalentes entre R$ 300 bilhões e R$ 400 bilhões.

A pesquisa CNT (Confederação Nacional do Transporte) publicada no final de 2017 mostrou queda na qualidade do estado geral dos 105.814 km de rodovias avaliadas.

A classificação regular, ruim ou péssima atingiu 61,8%, enquanto em 2016 esse índice era de 58,2%.

Em 2017, 38,2% das rodovias foram consideradas em bom ou ótimo estado, enquanto um ano atrás esse percentual era de 41,8%.

O estudo mostrou ainda que nos trechos de rodovias concedidas, em 1,9% da extensão com pontes ou viadutos, não há acostamento ou defensas.

Esses dispositivos estão completos em 51,0% e 47,1% estão sem um dos dispositivos.

Já nas rodovias públicas, em apenas 17,3% há presença de pontes ou viadutos com acostamento e defensas completas. Em 69,9%, um dos dispositivos de proteção está ausente e, em 12,8%, não há qualquer um dos dispositivos.

“Adiar soluções só vai fazer aumentar ainda mais os gastos futuros com esses empreendimentos. O país não pode adiar indefinitivamente a manutenção dessas obras sobre o risco de apagar incêndios no futuro”, analisa Pladevall.