Motorista de ônibus distribui torresmos aos passageiros e é reconhecido por simpatia e gentileza em MG

Motorista de ônibus distribui torresmos aos passageiros e é reconhecido por simpatia e gentileza em MG

13/01/2019 0 Por Notícias Portal InterBuss

“É um troféu para mim”. São palavras do motorista José Luiz Duarte, de 65 anos, para definir a emoção de ter o trabalho reconhecido devido ao bom relacionamento com os passageiros que transporta em uma das linhas de ônibus em Juiz de Fora.

O resultado foi uma homenagem em rede nacional feita pelo programa Encontro com Fátima Bernardes, exibido na última sexta-feira (11), no quadro “Você tem que conhecer!”. O profissional foi apresentado como ‘o motorista gentil’.

“Uma simples coisa se torna grande no meu coração, este reconhecimento é pura felicidade”, disse.

Após o programa, ao voltar para a cidade na Zona da Mata, ele levou uma placa onde está escrito “José Luiz Duarte. Motorista de ônibus com orgulho, profissional carismático e amigo fiel”.

“A minha intenção era colocar no portão, mas fiquei com medo de alguém roubar ou querer quebrar. Então prefiro colocar na porta da minha casa, logo na entrada, para ficar exposto para todo mundo que chegar lá em casa ver”, contou.

Amor à profissão: torresmos, gentileza e carinho

Natural de Dona Euzébia, aos 65 anos, vivendo em Juiz de Fora desde os 15, ele contabiliza quase 50 de profissão divididos entre cobrador, motorista de caminhão, ônibus de viagem e ônibus urbano. Neste domingo (13), José Luiz Duarte volta ao volante de um dos veículos da linha 524, São Mateus e estendendo a mão aos passageiros.

“Eu cumprimento, sempre foi assim, desde o tempo na roça. Então trouxe isso para o ônibus. Antes de sair da rodoviária, tinha o prazer de chegar até o corredor do ônibus, cumprimentar a todos, me apresentar, desejar boa viagem. Por que no urbano vou ser diferente? Muitos falam que motorista e cobrador são mal educados, mas de mim tenho certeza de que não podem falar”, afirmou.

Duarte ressaltou que os passageiros são os patrões porque “sem passageiro, não teria emprego”. Ele contou que, por já conhecer quem mora no bairro e usa a linha, ao sentir falta de uma pessoa, costuma ligar para saber se está bem e até mesmo se perdeu a hora.

Motoristas, motociclistas buzinam quando passam pelo veículo que ele dirige e ele sempre responde com outras duas buzinadas. A paciência com a movimento na Rua Oswaldo Aranha, por onde passa várias vezes diariamente, rendeu primeiro o torresmo como presente. E o que ele fez? Compartilhou como os passageiros.

“Quando eu passava em frente ao bar, eles me davam porque diziam que eu era muito educado, pedia licença, não xingava. Aí começaram a chegar na porta do ônibus, com pratinhos, querendo que eu tirasse um torresmo. Pensei que teria que arrumar uma sacolinha pra pegar um de cada um. Depois, o dono do bar também começou a me dar, de vez em quando, um pacotinho. Agora, na maioria das vezes, eu compro para dar aos passageiros”, explicou.

O relacionamento construído com todos que transporta diariamente em Juiz de Fora rendeu ao José Luiz Duarte uma moção de aplauso da Câmara Municipal em fevereiro de 2018, pela forma como exerce o ofício de motorista. Para ele, a vida é pautada pela ética que aprendeu desde cedo.

“É amor à profissão. Quando eu trabalhava na roça, tinha aquele capricho de lavar a enxada na biquinha e guardar ela brilhando. Aqui ainda é mais prazer, porque eu faço com amor, não com interesse ou intenção de aparecer. É prazer, é amor, e amizade com este povo. Não tenho tudo que amo, mas amo tudo que tenho”, ressaltou.
As informações são do G1.