Ônibus voltam a ser recolhidos após mais quatro ataques incendiários no Ceará

Ônibus voltam a ser recolhidos após mais quatro ataques incendiários no Ceará

08/01/2019 0 Por Notícias Portal InterBuss

Ao menos quatro ônibus foram incendiados durante a madrugada desta terça-feira (8) na região metropolitana de Fortaleza, no sexto dia consecutivo da onda de violência que atinge o Ceará.

Dois desses ataques ocorreram contra coletivos que faziam linhas de transporte da madrugada em bairros de Messejana, em Fortaleza. Outra ocorrência foi registrada no município de Aracati, região metropolitana, onde atearam fogo em um ônibus da prefeitura estacionado na rodoviária da cidade. Ainda foi notificada a ocorrência do incêndio em um micro-ônibus que transportava passageiros em Maranguape, outro município da região metropolitana.

As empresas de transporte público que operam na Grande Fortaleza chegaram a tirar os veículos de circulação durante a madrugada, mas o transporte foi retomado no início da manhã.

A imprensa local noticiou ainda que um carro de uma autoescola foi queimado com dois ocupantes dentro do veículo, no Conjunto São Cristóvão, no Bairro Jangurussu, em Fortaleza. Ambos ficaram feridos, mas sem risco de morte. Não há outros detalhes sobre o estado de saúde dos dois ocupantes.

Segundo a Agência Brasil, uma criança de 5 anos morreu após ser baleada na noite desta segunda-feira (7), em Eusébio, na região metropolitana de Fortaleza. Um jovem de 15 anos também foi atingido e segue internado. Não há informações sobre a motivação do crime nem se teria alguma relação com os ataques que vêm ocorrendo no Estado.

Criminosos também tentaram explodir a Ponte dos Tapebas, localizada na BR-222, no município de Caucaia, na região metropolitana, por volta das 2h. A explosão danificou parte do piso da ponte, fazendo um buraco no local.

Com mais esses ataques, subiu para 160 o número de ocorrências notificadas contra veículos, prédios públicos e comércios desde o início da crise na segurança pública do Estado, na semana passada. Os crimes são atribuídos a facções criminosas que atuam no Ceará, como o Comando Vermelho (CV) e os Guardiões do Estado (GDE), após o anúncio do secretário de Administração Penitenciária, Luís Mauro Albuquerque, do endurecimento de regras no sistema prisional do estado.

As informações são do jornal Destak.