Novo terminal de ônibus de São José do Rio Preto ficou menor que o antigo

Novo terminal de ônibus de São José do Rio Preto ficou menor que o antigo

11/08/2019 0 Por Notícias Portal InterBuss

Criticado desde o início da gestão do prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo (MDB), ainda em 2017, o novo terminal de transporte coletivo na cidade, na praça Cívica, agora é alvo de mais queixas. O secretário de Trânsito, Amaury Hernandes, afirma que o terminal, que já foi concluído pela empresa Constroeste, e aguarda recebimento final da obra, tem capacidade menor de veículos do que o atual, que fica na rua Pedro Amaral.

Representantes da Riopretrans, formada pelas duas empresas que operam o transporte coletivo em Rio Preto, fizeram medições do novo terminal. No atual, existem 40 plataformas destinadas aos ônibus. Ou seja, 40 ônibus podem ficar no local simultaneamente. Já no novo, chamado de Estação Central Parque pelo ex-prefeito Valdomiro Lopes (PSB), que deu início às obras, em novembro de 2015, o total de plataformas é de 35. Ou seja, são cinco veículos a menos. Segundo o secretário, são três plataformas a menos de embarque e desembarque da Circular Santa Luzia, que detém maior trecho das linhas, e duas a menos para uso do Expresso Itamarati.

“Estamos estudando como vamos implantar as linhas para colocar em operação o novo terminal. Isso não dá para mudar. A quantidade de plataformas é menor, apesar de ocupar uma área maior. Cabe menos ônibus do que no atual. Essa é a verdade. Deveria ter menos ostentação e mais praticidade. Isso não tem. Não adianta ficar reclamando. Este é o terminal que temos e vamos colocar em operação”, afirmou o secretário nesta sexta-feira, 9.

Amaury também afirmou que o custo para manutenção do terminal foi estimado em R$ 500 mil por mês, valor considerado expressivo pela equipe do governo de Edinho. (Leia ao lado).

Atualmente, cerca de 86 mil pessoas utilizam o terminal a cada dia. Apesar de ter quantidade inferior de vagas para os veículos, a previsão é de maior agilidade no serviço, ou seja, entrada e saída mais rápida dos ônibus. Quando a obra foi iniciada, o governo de Valdomiro anunciou que o tempo de permanência no terminal iria cair para apenas “2 minutos”. “O tempo de permanência dos ônibus no terminal atualmente é de 10 minutos, que deve cair para menos de 2 minutos com a nova estação”, divulgou a Prefeitura, na época.

O secretário de Trânsito discorda. “Com quantidade menor de vagas, o tempo dos ônibus tem de ser menor mesmo. Não sei quanto poderá reduzir em relação ao tempo atual”, disse. Segundo Amaury, a previsão é que novo terminal inicie as operações em outubro. “Ainda é uma previsão. Dependemos também do recebimento final da obra, o que não aconteceu”, disse.

Ajustes

A obra do terminal foi concluída no final do mês passado. No dia 28 de junho, representantes da Constroeste protocolaram o encerramento da construção. A Prefeitura informou que iria vistoriar a obra e que tinha até 90 dias para assinar o termo definitivo de recebimento da Estação Central Parque.

Nesta sexta, a Secretaria de Obras informou que as vistorias são feitas em etapas. “Após o pedido de recebimento provisório solicitado pela construtora, nossos técnicos estão realizando a vistoria para emissão do recebimento definitivo da obra. Devido à complexidade deste empreendimento, que possui aproximadamente 38.000 metros quadrados, o trabalho vem sendo realizado em etapas e as correções necessárias estão sendo feitas”. Segundo a Prefeitura, os ajustes são de “correções como pintura manchada, placas de forro danificadas, repintura de piso com resina”. “Somente após todas correções identificadas e corrigidas, poderemos realizar a emissão do termo de recebimento definitivo”, informou a Prefeitura.

Manutenção de R$ 500 mil

A manutenção do novo terminal de transporte coletivo tem custo mensal estimado em R$ 500 mil. O valor é referente a manutenção, limpeza e pagamento de funcionários da Prefeitura. “Esse foi o custo estimado para manutenção”, afirmou o secretário de Trânsito de Rio Preto, Amaury Hernandes. As despesas com limpeza são pagas para a Empresa Municipal de Urbanismo.

Segurança no novo terminal é um aspecto que a Prefeitura pretende definir melhor forma de fazer, o que requer, segundo o secretário, mais gastos. “Vamos ter de instalar câmeras de segurança e ainda definir se colocaremos cerca. O terminal é todo aberto”, afirmou. Segundo o secretário, quando entrar em operação, ônibus da zona sul da Itamarati chegarão ao local pelo viaduto Abreu Sodré. De outro lado, virão os ônibus da Circular.

O viaduto Abreu Sodré irá passar por adequações e, mesmo com restrições impostas à circulação de veículos pesados, o secretário de Trânsito disse que isso não impede o uso do local.

A obra iniciada em 2015 deveria ser concluída em 2016, ao custo de R$ 47 milhões. O gasto final ficou em R$ 64 milhões, segundo a prefeitura. Procurada por meio de sua assessoria, a Constroeste também não se manifestou sobre obra. (VM)

As informações são do Diário da Região.